QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 13:03

Sem padrinho

Compartilhe:

 

blog052711Entre os principais dirigentes da Caixa Econômica, o vice-presidente de Fundos de Governo e Loterias, Fabio Ferreira Cleto (foto), é quem mais está se desdobrando para seguir no cargo. Cleto foi indicado pelo presidente da Câmara, Henrique Alves, que está prestes a ficar sem mandato e hoje mantém uma relação cheia de arestas com o Planalto.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 12:19

O presidente de Setúbal

Compartilhe:

 

blog042711Roberto Setúbal (foto) não fecha o ano sem fazer um presidente. O banqueiro mergulhou na campanha de Nabil Khaznadar ao comando do Santos, seu clube de coração. A eleição ocorre em dezembro.

 

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 12:16

Elegância e decadência na recepção à equipe econômica IV

Compartilhe:

 

blog102711Os recorrentes manifestos de protesto escritos por intelectuais de esquerda estão não só perdendo o significado, como parecendo formas vazias de afirmação de personagens que deixaram de ter protagonismo na vida pública. São abaixo-assinados contra medidas que ainda não foram adotadas e cenários econômico-sociais que não ocorreram. Atitudes típicas dos chamados "quinta coluna" ou de quem quer aparecer a qualquer preço.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 12:07

Elegância e decadência na recepção à equipe econômica III

Compartilhe:

 

blog092711Saem a PUC-Rio de FHC e a UFRJ de Lula e Dilma I e adentra o gramado a Fundação Getulio Vargas. Joaquim Levy terá toda e mais alguma colaboração da FGV, que está eufórica com a sua indicação. Levy poderá contar particularmente com a luxuosa colaboração do professor Aloisio Araújo (foto), o mais bem equipado economista matemático do Brasil. Araújo, no seu estilo discreto, quase invisível, contribuiu intensamente com o próprio Levy durante o governo Lula I.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 11:59

Elegância e decadência na recepção à equipe econômica II

Compartilhe:

 

blog0482711Joaquim Levy (foto) entrará no Ministério da Fazenda com o pé direito caso se confirme o convite a Eduarda La Rocque para assumir a Secretaria do Tesouro. "Duda" é um enclave da PUC-RJ na nova equipe econômica, o que era impensável com Guido Mantega. Mas pode até ser que exista alguma dose de maquiavelismo neste movimento. Seria uma forma de calar as previsíveis críticas de Armínio Fraga, Gustavo Franco e cia.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 11:53

Elegância e decadência na recepção à equipe econômica I

Compartilhe:

 

blog042711O novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa (foto), será tosquiado no cargo. Barbosa vai tomar conta de toda a política microeconômica do governo. Entre os espinhosos abacaxis estão a retomada do programa de concessões, as reformas tributária e previdenciária e o redesenho do BNDES, incluindo uma elevação da TJLP que vai deixar os empresários sem achar graça nenhuma. Para completar, ele deverá ser o futuro presidente do Conselho da Petrobras.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 11:46

Estação Pequim

Compartilhe:

 

blog062711A China Railway Engineering Corporation manifestou ao governo o interesse de participar da construção e operação da Ferrovia de Integração do Centro- Oeste, empreendimento de R$ 6,5 bilhões. O grupo, que opera uma malha ferroviária de 45 mil quilômetros, garante trazer a reboque um comboio de bancos chineses.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 10:59

O imprimatur de Conceição Tavares II

Compartilhe:

 

blog032711By the way: comentando os dez anos da morte de Celso Furtado, completados na última segunda-feira, dia 24, a mestra (foto)  relembrou que, em seu último artigo, ele chamava a atenção para a necessidade de dar prioridade à questão fiscal naquelas circunstâncias. Só que o enfrentamento do fiscal nos moldes de Furtado passava a léguas de distância do modelito de Levy.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 10:06

O imprimatur de Conceição Tavares I

Compartilhe:

 

blog022711A professora Maria da Conceição Tavares (foto) aprovou o triunvirato formado por Joaquim Levy, Nelson Barbosa e Alexandre Tombini. Conceição, contudo, acha que um ingrediente importante para o sucesso da receita é a presidente Dilma Rousseff realizar o máximo de reuniões com a presença da tríade. A professora compreende perfeitamente a escolha de Levy e acha que a dupla com Barbosa pode surpreender pela complementaridade. Mas, se fosse pelo desejo de Conceição, a Fazenda estaria sob o comando de Luiz Carlos Trabuco, com mais jogo de cintura e leveza para lidar com o atual momento político e econômico.

 

 



QUINTA-FEIRA, 27 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:33

Grêmio e OAS Arenas devem romper parceria

Compartilhe:

 

chamada 01Mais fácil o presidente do Grêmio, Fabio Koff (logo), cantarolar o hino do Internacional do que a OAS seguir na gestão do estádio do tricolor gaúcho em 2015. O próprio clube deve assumir a administração da arena. Procurados, Grêmio e OAS não se pronunciaram sobre o assunto.

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 17:38

Iguaçu sai da lata no mercado de capitais II

Compartilhe:

 

REUH4HUGY54O disse-me-disse em torno de um eventual fechamento de capital traz a reboque rumores sobre o próprio futuro da Metal Iguaçu. Não custa lembrar que a companhia controlada pela família Payrebrune é vista como um alvo em potencial para os grupos mais graúdos do setor. A Metalic, fabricante de latas de aço de Benjamin Steinbruch, é recorrentemente apontada como um forte candidato à compra da Iguaçu, devido às notórias sinergias entre ambas.



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 16:44

Iguaçu sai da lata no mercado de capitais I

Compartilhe:

 

BLOGG1026Historicamente habituada ao papel de coadjuvante, a Metal Iguaçu tem vivido seus dias de protagonista nas bolsas. Nos últimos dias, há um burburinho em torno do papel. Circula pelo mercado a informação de que a fabricante de latas de aço está prestes a anunciar uma oferta de recompra de ações, com vistas a um posterior fechamento de capital. As cotações vêm registrando altas significativas. Na semana passada, houve dia em que a valorização chegou a quase 15%, um desempenho fora da curva considerando - se a trajetória do papel ao longo do ano. Desde janeiro, o valor de mercado da Iguaçu caiu mais de 30%. Procurada, pelo RR, a Iguaçu negou a realização de uma oferta pública e o fechamento do capital.

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 15:36

eBay a caminho

Compartilhe:

 

BLOG081126O eBay tem planos de entrar para valer no Brasil, com a abertura de um escritório de representação. Por ora, o maior site de leilões eletrônicos do mundo está presente no mercado brasileiro de forma literalmente virtual. Seu principal avanço no país foi a criação de uma versão em português para seu site internacional.

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 14:59

Risco de intervenção paira sobre o Postalis

Compartilhe:

 

BLOG082611Está chegando a hora da verdade para a diretoria do Postalis, comandado por Antônio Carlos Conquista. A Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) concluiu a averiguação extraordinária das contas do fundo de pensão. A expectativa é que a Previc anuncie seu veredito ainda nesta semana. O risco de intervenção ronda o Postalis desde o ano passado, quando o fundo anunciou perdas de quase R$ 1 bilhão.

 

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 14:14

Dupla dinâmica da logística industrial

Compartilhe:

 

BLOG072611A francesa Norbert Dentressangle e a paulista Gafor articulam uma investida conjunta na área de logística industrial. A dupla se uniria numa oferta pela Sada, uma das líderes no armazenamento de cargas do país, com receita de R$ 1,5 bilhão. Consultada, a Gafor nega a operação. Já os franceses não se pronunciaram.

 

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 13:01

Infraero voa mais baixo

Compartilhe:

 

BLOG0626A nova rodada de licitação deverá trazer uma novidade: a Infraero terá apenas 30% do consórcio vencedor, e não 49% como ocorreu nas licitações já realizadas.

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 11:48

O que está acontecendo com a Unimed?

Compartilhe:

 

blog0426Celso Barros (foto) deve acreditar que as moléstias da Unimed-Rio se resumem a um problema de imagem. Virgínio Sanches, que respondia pela comunicação da operadora de planos de saúde, está deixando a empresa após 18 anos. Há dez dias, Barros já havia afastado o então superintendente de marketing, Mauro Madruga.

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:55

Josué Gomes da Silva é um nome talhado para o BNDES III

Compartilhe:

 

blog0326A não confirmação para o posto representará uma injustiça sob os mais variados aspectos. Josué Gomes da Silva carrega o legado de José Alencar, cuja presença no governo Lula foi fundamental para viabilizar a interlocução com o empresariado. Josué esteve o tempo todo ao lado do ex-presidente, a começar pelas discussões no Instituto da Cidadania. Não apenas esteve cotado para assumir o Ministério da Fazenda ainda no atual mandato de Dilma Rousseff como sinalizou que, se fosse designado, sacrificaria sua candidatura ao Senado. Caso Dilma venha a abrir mão da presença do empresário em seu governo, será também um desperdício político. O herdeiro de José de Alencar contabiliza um valioso ativo: os mais de 3,6 milhões de votos que recebeu para o Senado. Ainda assim, se a presidente da República realmente descartá-lo, haveria outros caminhos para Josué Gomes da Silva – além, é claro, de seguir no comando de seu potentado empresarial. Um deles seria assumir uma super secretaria do Desenvolvimento e Indústria em Minas Gerais – consta que o governador eleito Fernando Pimentel já lhe acenou com o posto. Entre seus congêneres da indústria não falta também quem o estimule a se candidatar à presidência da Fiesp, posto que faria de Josué, de fato e de direito, o principal interlocutor do setor junto ao governo.

 

 

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:32

Josué Gomes da Silva é um nome talhado para o BNDES II

Compartilhe:

 

BLOG2602Ressalte-se que Luciano Coutinho (foto) já havia manifestado sua disposição de deixar o BNDES. Mas, atendendo a um pedido de Dilma Rousseff, prosseguiu no cumprimento da missão, em suas habituais jornadas diárias de até 15 horas de trabalho. A escolha de Josué Gomes da Silva para o cargo atende, em parte, aos reclames da esquerda, que se sentiu órfã com a definição dos novos ministros da área econômica. Apesar de empresário, o filho de José Alencar segue a linha nacional desenvolvimentista, o que já o torna bem-visto na corporação, historicamente filiada a essa corrente de pensamento. Josué esteve, inclusive, cotado para assumir o próprio Ministério do Desenvolvimento, mas foi preterido com a súbita escolha política de Armando Monteiro. Seu nome também chegou a ser mencionado para substituir Graça Foster no comando da Petrobras, um cargo, verdade seja dita, que o deixaria fora da sua zona de conforto. A presidência do BNDES é um figurino que lhe veste sob medida.

 

 

 



QUARTA-FEIRA, 26 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:11

Josué Gomes da Silva é um nome talhado para o BNDES I

Compartilhe:

 

chamada 01Se a saída de Luciano Coutinho, talvez o maior quadro técnico do governo Dilma Rousseff, for mesmo confirmada, um dos nomes cotados para assumir a presidência do BNDES é o de Josué Gomes da Silva (foto). O dono da Coteminas cairia como uma luva no comando do banco de fomento. Josué conhece o setor industrial como poucos. Sua indicação seria mais um movimento de Dilma para fazer a alegria do empresariado, notadamente dos industrialistas, e reconstruir uma ponte que permaneceu interditada durante boa parte do primeiro mandato.



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 17:11

Estácio tira zero em governança corporativa III

Compartilhe:

 

blogtdftdftrfdtryqA saída de Chaim Zaher (foto) do Comitê Acadêmico e do Conselho não é o epílogo, mas, sim, o começo de uma nova história. No momento, o empresário reúne munição para o contra-ataque. Zaher se articula para comprar participações de outros minoritários e consequentemente ganhar força no comando da Estácio. Não é difícil imaginar qual seria o seu primeiro alvo.

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 16:37

Estácio tira zero em governança corporativa II

Compartilhe:

blog092511Não obstante ser o maior acionista individual da Estácio, Chaim Zaher é refém da pulverização do controle e da própria estrutura de poder que encontrou ao desembarcar no capital da companhia, há pouco mais de um ano. A GP Investimentos deixou a empresa, mas, a rigor, é como se ainda mandasse no pedaço. A maioria dos conselheiros e dos membros da diretoria foi indicada pela gestora de recursos. De todos, Alcalay é disparadamente o mais espaçoso. O Conselho de Administração tornou-se pequeno demais para abrigar sua sanha de poder. Suas intervenções na gestão executiva tornaram-se cada vez mais habituais. O presidente da Estácio, Rogério Frota Melzi, passou a ser visto na companhia como um mero títere de Alcalay.

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 15:58

Estácio tira zero em governança corporativa I

Compartilhe:

blog072511O tempo fechou na Estácio. Maior acionista individual da companhia, o empresário Chaim Zaher (foto) está deixando a coordenação do comitê acadêmico, instância responsável pelas decisões estratégicas de uma das maiores redes de ensino superior do país. Dono de 6% do grupo, Zaher deverá também renunciar a sua vaga no Conselho de Administração até o fim do ano. A decisão se deve aos seguidos atritos com Eduardo Alcalay, presidente do Conselho de Administração. Os desentendimentos chegaram ao ápice no início deste mês. Zaher assumiria a copresidência do board, cargo que seria formalmente criado na reunião do Conselho realizada no último dia 5. No entanto, Alcalay teria se articulado com outros conselheiros para brecar a nomeação do empresário. Procurada pelo RR, a Estácio negou qualquer mudança na gestão. Consultado sobre os atritos com Alcalay e sua saída do comitê de educação e do Conselho, Zaher não confirmou nem desmentiu a informação. Limitou-se a dizer que está focado no segmento de ensino básico, por meio da SEB, outra de suas empresas.

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 13:39

Dobradinha aérea

Compartilhe:

 

 

blog062511A espanhola Ferrovial articula um consórcio com a Queiroz Galvão para os próximos leilões do setor aeroportuário.

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 12:45

Peugeot perde velocidade

Compartilhe:

 

blog052511O português Carlos Gomes, presidente (foto) da PSA Peugeot Citroën no Brasil, terá um sofrido fim de ano. As vendas da montadora no país devem fechar 2014 com uma queda próxima dos 30%.

 

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 11:38

Lava-jato por todos os lados

Compartilhe:

 

blog042511A francesa Egis deve gostar de fortes emoções. Sócio da UTC Engenharia na concessão do Aeroporto de Viracopos, o grupo costura uma parceria com a Camargo Corrêa para os próximos leilões aeroportuários. Em tempo: a fonte do RR, um executivo do setor, não conseguiu conter o sarcasmo: "Com tanto lava-jato em volta, aos menos os aviões vão estar sempre bem limpos".

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 10:05

Unilever perde faturamento e market share no Brasil III

Compartilhe:

 

blog032511Uma nova majoração de preços está prevista para depois do Carnaval na Unilever. Mas, a julgar pelo efeito dominó desencadeado pela última rodada de reajustes, talvez o certo seja dizer "estava". Por ora, de certo mesmo só a temporada de cortes de custos que está por vir, segundo fontes próximas à Unilever. A guilhotina deverá atingir, notadamente, as despesas administrativas e comerciais e a área de marketing. As verbas publicitárias para 2015, originalmente fixadas em cerca de R$ 2 bilhões, sofrerão uma redução expressiva. A cortada atingiria, inclusive, os investimentos da empresa no time de vôlei feminino do Rexona-Ades.

 

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:33

Unilever perde faturamento e market share no Brasil II

Compartilhe:

 

bloog022511A companhia tem alguma culpa no cartório. Ao longo do ano, o grupo reajustou os preços de seus produtos de higiene e limpeza. Em algumas linhas, notadamente no segmento de cuidados pessoais, o aumento passou dos 15%. A decisão chegou a ser contestada por alguns executivos, mas o presidente da Unilever Brasil, Fernando Fernández (foto), bancou a aposta. Acabou por lançar um bumerangue que agora volta, com força redobrada, na sua direção. Fernández deverá alcançar a proeza de fechar seu quarto ano no comando da Unilever com uma receita em moeda estrangeira quase US$ 500 milhões inferior ao que a empresa contabilizava quando ele assumiu. Um caso emblemático é o sabão em pó Omo. Em três anos, o market share caiu de 60% para 50%. Boa parte da diferença foi parar na prateleira da rival P&G.

 

 



TERÇA-FEIRA, 25 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 09:01

Unilever perde faturamento e market share no Brasil I

Compartilhe:

 

chamada 01Numa célebre entrevista concedida em 2012, ao se referir às políticas de distribuição de renda e responder àqueles que defendiam uma freada no consumo, Delfim Netto saiu-se com mais uma de suas impagáveis tiradas: "A dona de casa trocou o sabão de coco pelo Dove. Só um economista "maluco" acha que fará ela voltar atrás aumentando os juros". A Unilever surfou nessa onda e alcançou alguns de seus melhores resultados no Brasil. Agora, no entanto, a fabricante do Dove e de mais uma centena de produtos de higiene e limpeza vive seus dias de sabão de coco. A empresa está sentindo na pele os efeitos da maré contrária na economia. As projeções da Unilever indicam para este ano um faturamento no país da ordem de US$ 2,8 bilhões, 6% inferior ao de 2013. A se confirmar a estimativa, será a primeira vez em quatro anos que a receita dos anglo-holandeses no Brasil ficará abaixo dos US$ 3 bilhões. Assim como outras grandes fabricantes de bens de consumo, a Unilever tem carregado em seu balanço as marcas da retração do varejo. As estimativas mais otimistas para o setor indicam para este ano um aumento das vendas de 3,5%, contra 4,3% em 2013 e saudosos 8,4% em 2012. Mas, no caso da Unilever, os maus resultados não se devem apenas a questões conjunturais.

 

 

 



SEGUNDA-FEIRA, 24 NOVEMBRO DE 2014

Finanças | 17:29

Agrotecnologia bilateral

Compartilhe:

 

bloggyqdtyqfOs governos do Brasil e da China abriram conversações para um acordo bilateral na área de agrotecnologia. Do lado brasileiro, os projetos seriam pendurados na Embrapa.