QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 18:04

Feriado

Compartilhe:

pascoa rrEm razão dos feriados, o blog do Relatório Reservado volta na próxima terça-feira, dia 22. A todos, Feliz Páscoa!

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 17:36

Tudo como antes no Makro

Compartilhe:

blog11Depois de uma breve visita do lucro no ano passado, o Makro teria voltado a operar no vermelho desde dezembro. Consultada, a empresa negou o prejuízo.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 16:28

Liberty negocia compra de carteira da Itaú Seguros

Compartilhe:

blog10A norte-americana Liberty entrou na disputa pela área de grandes riscos da seguradora do Itaú. Também estão no páreo grupos como Generali, Allianz e Ace. Procurados, Itaú e Liberty não quiseram comentar o assunto.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 15:22

Novo fundo no mercado imobiliário

Compartilhe:

blog9O fundo imobiliário chinês Cheung Kong Holdings está fincando sua bandeira no Brasil. Até julho, deverá abrir um escritório em São Paulo. Mira tanto em projetos no segmento residencial quanto na construção de prédios de escritório e shopping centers. Em tempo: o Cheung Kong pertence ao chinês Li Ka-Shing (foto), considerado o homem mais rico da Ásia. Sua fortuna é avaliada em US$ 30 bilhões.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 14:07

Página virada?

Compartilhe:

blog8Nos corredores da Livraria Cultura, circula a informação de que Sergio Herz (foto) pode deixar a presidência da empresa no fim do ano. Herz é o último dos acionistas controladores que ainda participa da gestão executiva. Em conversa com o RR, o empresário garantiu que permanece no cargo.

 

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 13:01

CR Almeida manda Britanite pelos ares II

Compartilhe:

blog7.A CR Almeida entrou na IBQ movida pelas sinergias entre a fabricante de explosivos e sua atuação na construção pesada. O grupo chegou a fazer planos de avançar no segmento e criar uma grande divisão de produtos químicos e bélicos a partir do complexo industrial da empresa, localizado em Quatro Barras (PR). Mas recuou diante da baixa rentabilidade da companhia vis-à-vis os altos custos operacionais - não obstante o aumento da demanda por explosivos tanto na área de construção civil quanto no setor de mineração.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 12:38

CR Almeida manda Britanite pelos ares I

Compartilhe:

blog6A estratégia de diversificação do grupo CR Almeida passou dos limites. É o que pensam os próprios herdeiros do empresário Cecílio do Rego Almeida, morto em 2008. A família está revendo alguns dos negócios acumulados ao longo dos últimos anos. A reestruturação deve começar pela IBQ Indústrias Químicas, detentora da marca Britanite. A CR Almeida estaria disposta a vender sua participação de 30% na empresa, dona de metade do mercado brasileiro de explosivos. Consultada, a CR Almeida negou sua saída do no negócio. No entanto, fontes ligadas ao grupo afirmam que a chilena Sigdo Koppers e a peruana Brescia, acionistas controladoras da IBQ, já teriam manifestado interesse em ficar com as ações do grupo paranaense.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 11:32

Brasil na moda

Compartilhe:

blog5A sueca HM, uma das mais badaladas redes de vestuário da Europa, procura locais no Rio e em São Paulo para abrir suas duas primeiras lojas no Brasil.

 

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 10:26

Dilma da Dilma

Compartilhe:

blog4Se estivéssemos em abril de 2018 e Dilma Rousseff fosse ainda presidente, Maria das Graças Foster seria candidata ao cargo, e com louvor.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 09:19

Tok & Stok e Etna podem virar uma só rede III

Compartilhe:

blog3No caso da Etna, a negociação com o Carlyle pode colocar um ponto final na crônica de uma venda mais do que anunciada. Dentro da empresa, é notório que há tempos Nelson Kaufman procura um sócio ou mesmo um controlador para a rede varejista. Kaufman não esconde dos colaboradores mais próximos o desejo de se dedicar exclusivamente ao seu principal negócio, a Vivara. Além disso, a eventual venda da Etna traz embutida uma certa confissão de fracasso. Apesar de todos os esforços neste sentido, a companhia nunca conseguiu competir de igual para igual com a Tok & Stok. Seu faturamento equivale a um terço da receita da concorrente.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 08:55

Tok & Stok e Etna podem virar uma só rede II

Compartilhe:

blog2Tanto na estratégia quanto no modelo, a investida sobre a Etna guarda enormes semelhanças com o script adotado pelo Carlyle no varejo de brinquedos. Se, na ocasião, o private equity usou a Ri Happy, da qual já era acionista, como ponta de lança para um projeto de consolidação do setor, desta vez este papel caberia à Tok & Stok. Ato contínuo, o fundo norte-americano se valeria da condição de acionista majoritário das duas redes varejistas para costurar sua fusão, trazendo a reboque os respectivos sócios minoritários - no caso da Tok & Stok leia-se o casal Regis e Ghislaine Dubrule, donos de 40% do capital. Esta engenharia societária resultaria na criação da maior rede de lojas de móveis e artigos de decoração do país. A dupla Tok & Stok e Etna soma quase 60 pontos de venda e uma receita anual superior a R$ 1,2 bilhão. Em tempo: reforçando ainda mais o tom de remake entre as duas operações, há quem aposte que o Carlyle escalará o executivo Hector Nunez para comandar o processo de integração entre a Tok & Stok e a Etna. Presidente da Ri Happy/PB Kids, Nunez desempenhou o mesmo papel na associação entre as duas redes.

 



QUINTA-FEIRA, 17 ABRIL DE 2014

Finanças | 08:33

Tok & Stok e Etna podem virar uma só rede I

Compartilhe:

chamada 1Ao contrário do que dizia Karl Marx, às vezes a história se repete, e não necessariamente sob a forma de farsa. Que o diga o Carlyle, um dos maiores private equities do mundo. Cerca de dois anos após arquitetar a fusão da Ri Happy com a PB Kids, a gestora de recursos está prestes a replicar no próprio varejo a operação que deu origem à maior rede de lojas de brinquedos do Brasil. Dono de 60% da Tok & Stok, o Carlyle estaria mantendo negociações para a compra de seu maior concorrente, a Etna. A companhia pertence ao empresário Nelson Kaufman, também proprietário da rede de joalherias Vivara. De acordo com uma fonte envolvida no negócio, a Etna estaria avaliada em aproximadamente R$ 600 milhões. A cifra equivale a uma vez e meia o seu faturamento anual. Segundo a mesma fonte, Kaufman permaneceria na empresa, como acionista minoritário. Procurada pelo RR, a Tok & Stok disse apenas que "não confirmaria a informação". Já a Etna não se pronunciou.

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 17:25

Novo inquilino na PDG

Compartilhe:

blog9Para os demais acionistas da PDG, ainda não está muito claro aonde a Orbis Investment quer chegar. O fato é que, após sucessivas compras em mercado feitas nos últimos três meses, a gestora de recursos já detém mais de 16% da incorporadora. Acima dela, só a Vinci Partners, de Gilberto Sayão, com quase 20%.

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 16:19

Cemig negocia associação com a Gas Natural SP II

Compartilhe:

blog8Para a Cemig, a Gas Natural São Paulo é um negócio tão ou mais atrativo do que a Gas Brasiliano. A empresa é dona da terceira maior rede de distribuição de gás do país, com 1,4 mil quilômetros. Os espanhóis, por sua vez, enxergam na Cemig um parceiro com fôlego suficiente para acelerar os planos de investimento da empresa. Ao mesmo tempo, a parceria pode representar ganhos de sinergia com a também estatal Gasmig, além de abrir as portas para a compra conjunta de concessões em outros estados.

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 15:51

Cemig negocia associação com a Gas Natural SP I

Compartilhe:

blog7A Cemig pode até ter desistido de comprar 40% da Gas Brasiliano, mas o interesse de entrar na distribuição de gás em São Paulo é uma chama que ainda está acesa. A empresa mineira mudou de endereço e negocia a aquisição de uma parte da Gas Natural São Paulo Sul. As tratativas envolvem a compra de até um terço do capital. Um fator joga a favor da Cemig: acionista controladora da empresa, a espanhola Gas Natural estaria disposta a reduzir sua participação para concentrar investimentos em suas outras subsidiárias no Brasil, a Ceg e a Ceg Rio. Procurada pelo RR, a Gas Natural não retornou. A Cemig, por sua vez, informou que "até o momento" não tem qualquer compromisso com a Gas Natural, mas acrescentou que "tem avaliado diversas alternativas de investimento". Para bom entendedor...

 

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 15:02

Walita no moedor

Compartilhe:

blog6A Philips pôs a Walita num liquidificador. As hélices só vão parar de girar depois de cortarem um terço dos custos operacionais da empresa. Consultada pelo RR, a Philips disse "não reconhecer a informação".

 

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 13:59

Classificados em alemão

Compartilhe:

blog5O grupo Deutsche Telekom está trazendo para o Brasil o Scout24. Trata-se de um dos maiores portais de venda de imóveis da Europa. Os alemães procuram um sócio para a empreitada. Já teriam, inclusive, sondado o UOL.

 

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 12:59

Pílula partida

Compartilhe:

blog4As gestões para a fusão entre a Brasil Pharma, controlada pelo BTG, e a PanPharma, maior distribuidora de medicamentos do país, foram para o vinagre. Palavra de um alto executivo de um dos bancos envolvidos na operação.

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 11:01

Chieko & Paulus

Compartilhe:

blog3Não que Chieko Aoki (foto) precise de conselhos. Jamais! No entanto, ultimamente, a musa da hotelaria nacional tem ouvido bastante o ex-CVC Guilherme Paulus. Ao se referir à Blue Tree, Paulus é consultor de uma só recomendação: "Vende, vende, vende!"

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 09:44

O jogador

Compartilhe:

blog2Do ex-ministro Delfim Netto sobre (foto) o agudo recrudescimento do "Volta, Lula": "O Lula é inteligentíssimo. Ele não está jogando pôquer com a Dilma ou a com oposição. Ele joga com as estrelas".

 



QUARTA-FEIRA, 16 ABRIL DE 2014

Finanças | 08:35

Jorge Gerdau se aproxima de Aécio e Campos

Compartilhe:

chamada 1Jorge Gerdau (foto), que já teve direito a sala no Palácio do Planalto, foi apontado como candidato à pasta da Fazenda e atuou como uma espécie de ministro informal para o aumento da produtividade do setor público, agora é chamado de "quinta coluna" entre os principais assessores de Dilma Rousseff. Gerdau tem tido conversas com Aécio Neves e Eduardo Campos, nas quais metralha o governo e recomenda suas "pílulas de sucesso" a partir dos erros observados de dentro da máquina do Estado.

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 17:31

Sinal aberto

Compartilhe:

blog9O fundo norte-americano HIG Capital estaria negociando a compra de uma participação no Grupo Sinal, dono de 30 concessionárias de automóveis em São Paulo e Minas Gerais. Procurado, o grupo negou a operação.

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 16:26

Agrale faz força para tirar seu trator da areia movediça III

Compartilhe:

blog8Neste contexto, a Agrale terá pela frente um grande desafio: avançar sobre territórios inimigos sem desguarnecer sua retaguarda, leia-se a fatia de market share que conquistou ao longo dos anos no segmento de tratores leves. A empresa enfrenta a concorrência cada vez maior de fabricantes asiáticos recém-chegados ao Brasil, sobretudo da indiana Mahindra. Isso para não falar dos chineses que já espreitam o mercado. Prenúncio de dias ainda mais difíceis para a gestão de Hugo Zattera.

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 16:01

Agrale faz força para tirar seu trator da areia movediça II

Compartilhe:

blog7Dentro da própria Agrale, a nova investida é tratada como um movimento decisivo para o próprio futuro da empresa, que, historicamente, sempre se concentrou na produção de equipamentos de pequeno e médio portes. A venda de tratores pesados tem puxado praticamente sozinha a indústria nacional. Estar fora deste jogo significa estar fora do próprio campeonato. Ao pisar neste campo, a Agrale vai entrar numa briga direta com os grandes fabricantes do setor. Disputa indigesta. As norte-americanas AGCO e John Deere e a CNH, do Grupo Fiat, formam um cluster, uma fortaleza inabalável, dentro da qual controlam mais de 70% das vendas de tratores no Brasil. No segmento de veículos entre 140 e 230 cavalos, por exemplo, a CNH, sozinha, é responsável por um em cada dois equipamentos vendidos no país.

 

 

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 15:39

Agrale faz força para tirar seu trator da areia movediça I

Compartilhe:

chamada 2A Agrale é uma empresa insular. Raro espécime nacional num setor cercado de forasteiros por todos os lados, a companhia gaúcha também tem se revelado uma ilha no que diz respeito à sua performance operacional. Em 2013, ano que o mercado de tratores no Brasil cresceu quase 15%, a receita da fabricante gaúcha avançou apenas 7%. Este ano promete ser ainda mais desalentador: a empresa trabalha com uma projeção de alta das vendas da ordem de 5%. Estes indicadores aumentam a pressão sobre o nº 1 da Agrale, Hugo Zattera (foto). O executivo talvez enfrente o momento mais tenso em 18 anos à frente da companhia – dez como diretor-superintendente e oito no cargo de presidente. Sua gestão estaria sendo contestada por integrantes da família Stédile, controladora da Agrale. A cobrança é proporcional à ampliação dos investimentos. Nos próximos dois anos, a empresa deverá desembolsar cerca de R$ 150 milhões – para efeito de comparação, os aportes em 2013 não passaram dos R$ 40 milhões. Não se trata de um ciclo qualquer de investimentos. A Agrale prepara-se para entrar no segmento de tratores pesados, com a fabricação de veículos com potência superior a 100 cavalos. Procurada, a empresa limitou- se a informar que investe anualmente 3% de sua receita no desenvolvimento de novos produtos, sem entrar em detalhes quanto aos projetos previstos para este ano.

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 13:58

Transnordestina: cada vez mais Valec

Compartilhe:

blog5A Valec ainda vai acabar como controladora da Transnordestina, no lugar de Benjamin Steinbruch. A estatal deverá fazer um novo aporte, elevando sua participação de 25% para 35%. Recentemente, a empresa injetou mais de R$ 400 milhões no negócio. Procurada, a Valec informou que “não há previsão de novos aportes na Transnordestina?” Mas acrescentou que “não há impedimentos para tanto”. Ou seja...

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 12:07

Na marca da Penalty

Compartilhe:

blog4A fabricante de material esportivo Penalty vive seus dias de segunda divisão. Obcecada em cortar custos, a família Estefano deve fechar uma das quatro fábricas da empresa. A principal candidata a ir mais cedo para o chuveiro é a unidade localizada no Paraguai, a única no exterior. Procurada, a empresa não se pronunciou.

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 10:53

Primeiros passos no Brasil

Compartilhe:

blog3Varejo e TI. Estes são os alvos prioritários do Canada Pension Plan Investment Board (CPPIB), que, nos próximos dias, vai inaugurar seu escritório de São Paulo.

 

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 09:47

A coalhada da Lácteos Brasil

Compartilhe:

blog2A Fonterra estaria negociando a compra de ativos da Lácteos Brasil (LBR). Em recuperação judicial, a LBR tenta empurrar um pacotão com 12 fábricas. Mas os neozelandeses teriam interesse apenas na metade. Procurada, a LBR negou a venda dos ativos.

 



TERÇA-FEIRA, 15 ABRIL DE 2014

Finanças | 08:32

Uma agenda de governo à feição de Lula

Compartilhe:

chamada 1É consenso que os dois anos posteriores às eleições exigirão correções duras na matriz da política econômica. O país terá de pagar o preço de um ajuste vigoroso. Os fundamentals estão abalados por erros de gestão, pela teimosia na manutenção de um ministro da Fazenda que estimula as expectativas negativas e por um bombardeio das oligarquias à credibilidade do governo, a começar pela própria mídia. A priori, todos os candidatos à eleição sabem da gravidade dos problemas. Mas, é indiscutível que ninguém teria tantas condições de apoio para executar essa "II Carta ao Povo Brasileiro" quanto Lula. Quem quer que seja, melhor inovar no ajuste e não apenas se ajoelhar frente à ortodoxia. A agenda seguinte foi capturada junto a um grupo de colaboradores, simpatizantes e "companheiros de viagem" do PT. O RR montou-a ao seu jeito. Ela propõe um programa a ser anunciado no primeiro dia de mandato. E vai que dá certo.

 


  • Metas plurianuais de inflação e superávit fiscal para os quatro anos de governo. O compromisso assumido deveria ser formalizado no Congresso Nacional, e representaria uma vertente ou derivativo da Lei de Responsabilidade Fiscal, agora aplicada no plano federal. Com a medida, o governo poderia tirar os esqueletos das despesas públicas do armário e ser mais contundente no início de correção das tarifas elétricas e preços dos combustíveis. Somente no primeiro ano, a meta de superávit primário seria fixada entre 3% e 3,5% do PIB para reduzir a pressão sobre os juros, evitando um maior estímulo a operações de carry trade, apreciação do câmbio e piora do déficit em conta corrente.


 

  • Anúncio de que o Banco Central será autônomo, também formalizado no Congresso, com ênfase na diretriz de uma política monetária firme o suficiente. A meta de inflação será reduzida dos atuais 4,5% para 3% no prazo dos quatro anos de mandato.


 

  • Revisão na política de desoneração tributária e lançamento a prejuízo de todos os créditos duvidosos do BNDES. Os subsídios e incentivos fiscais do governo às empresas serão lançados em balanço como prejuízo (imposto negativo) a não ser que as companhias divulguem demonstrações do valor adicionado, com informações sobre o retorno dos benefícios à sociedade.


 

  • Alteração na política salarial, que passaria a incluir uma parcela variável do reajuste, nas empresas, em ações ou corrigida pelo percentual de crescimento da produtividade da economia, diferindo a liquidez da remuneração e alterando os índices de indexação.


 

  • Política pró-investimento, com a criação de um gabinete presidencial com plenos poderes para desbastar as adversidades que atravancarem os projetos, contratação de auditorias independentes para avaliação mensal do andamento das obras (depois do PAC ninguém acredita nas avaliações do governo) e regulamentação da figura do consórcio stand by, que assumiria os projetos à medida que fossem verificados atrasos não justificáveis.