SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 17:09

Bozano TI

Compartilhe:

 

blog300115-09A Bozano Investimentos está com um pé na área de telecomunicações. Negocia a compra de uma participação na Telemont, prestadora de serviços a empresas de telefonia, que faturou cerca de R$ 1,5 bilhão em 2014.

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 15:59

Rede própria

Compartilhe:

 

blog300115-08A Rede, credenciadora de cartões de crédito do Itaú, planeja montar uma plataforma própria de pagamentos eletrônicos. A decisão, se confirmada, representará o fim da parceria com a DataCash, da Mastercard.

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 14:51

Governo prepara novos cortes em agências reguladoras

Compartilhe:

 

blog300115-07Atenção, agências reguladoras! Preparem-se para uma nova e dolorosa temporada de cortes de orçamento. "Recomendação do ministro Levy".

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 13:40

Moura com a bateria fraca

Compartilhe:

 

blog300115-06Líder no fornecimento de baterias automotivas no Mercosul, a pernambucana Moura enxerga no velocímetro de vendas o impacto da crise econômica argentina. Por conta da queda das exportações para o país vizinho, a receita da companhia caiu cerca de 10% em 2014. Procurada, a empresa não retornou.

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 11:49

Apollo viu a UVA       

Compartilhe:

 

blog300115-05O fundo Apollo negocia a compra da Universidade Veiga de Almeida (UVA), no Rio de Janeiro, controlada pela também norte- americana Whitney. O RR entrou em contato a UVA, mas não obteve retorno.

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 10:51

Por que não um “Proer das empreiteiras”? IV

Compartilhe:

 

blog300115-04Outro ponto fulcral: diante da dificuldade circunstancial de as empreiteiras apresentarem garantias corporativas, os empréstimos deveriam ser feitos sob o modelo do project finance limited ou non recourse, que dispensa exigências mais pesadas. Todas estas medidas, ressalte-se, teriam de ser enfeixadas em um programa criado no âmbito do BNDES e de outros bancos públicos. Mesmo porque essas iniciativas são inviáveis de serem realizadas por instituições financeiras privadas. No mínimo, as propostas elencadas no paper valem como um receituário do bom senso para o governo. Da mesma forma que está fazendo um ajuste macroeconômico no melhor estilo tucano, Dilma poderia também buscar inspiração em outra bem-sucedida iniciativa do PSDB para criar o "Proer das empreiteiras".

 

Banner21



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 10:22

Por que não um “Proer das empreiteiras”? III

Compartilhe:

 

blog300115-03Soluções? Tem circulado avidamente no setor um paper assinado pelo advogado Mauricio Portugal Ribeiro (foto), especializado na estruturação de contratos de concessões e PPPs. Ribeiro afirma que não basta resolver a irrigação do sistema, com a liberação dos pagamentos represados na Petrobras; é preciso recapitalizar a cadeia de fornecedores da estatal. Nas palavras do RR: é necessário se criar um "Proer das empreiteiras". Maurício Ribeiro propõe que os bancos públicos estruturem um programa de crédito, eventualmente a taxas de mercado, com uma política de garantias diferenciadas, que permita às empresas de construção pesada rolarem suas dívidas. Defende também que as cláusulas de vencimento antecipado e de inadimplemento cruzado sejam interpretadas com "extrema parcimônia" pelos bancos, "particularmente o BNDES". O advogado prega ainda que o governo deve manter os processos e financiamentos referentes aos contratos de concessões e PPPs já assinados.

 

Banner2



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:55

Por que não um “Proer das empreiteiras”? II

Compartilhe:

 

blog300115-02Há projeções de que os dez maiores conglomerados empresariais do país com atuação na construção pesada somam cerca de R$ 130 bilhões em dívidas junto a bancos e ao mercado de capitais. Para se ter uma ideia da dimensão do problema, registre- se que o patrimônio líquido do Itaú, o maior banco privado nacional, é de R$ 98 bilhões. As quatro principais instituições financeiras do país registraram um lucro em torno de R$ 33 bilhões em 2013. Nos próximos dias, por exigências regulatórias, os bancos terão de começar a fazer o write off e o write down daqueles débitos. Ressalte- se que, se uma determinada companhia entra em default, os passivos de todas as demais controladas do mesmo grupo econômico vencem antecipadamente. Outro dado preocupante: o estoque da dívida desses grupos econômicos no mercado de capitais doméstico gira em torno dos R$ 16 bilhões; no mercado internacional, o valor é de quase R$ 6 bilhões.

 

Banner2



SEXTA-FEIRA, 30 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:25

Por que não um “Proer das empreiteiras”? I

Compartilhe:

 

chamada 01A presidente Dilma Rousseff (foto) continua sem entender o tumor que se alastra pelo país. Tratou a ameaça de um carcinoma socioeconômico com uma frase curta, destituída de consequência. A declaração da presidente da República de que as empresas envolvidas no escândalo do "petrolão" devem ser preservadas - e somente as pessoas, punidas - soou como um gesto insignificante diante da dimensão do problema. Não bastasse a Petrobras suspender todos os pagamentos com base na presunção da inidoneidade, o BNDES está fazendo exigências draconianas para a concessão de novos empréstimos. O rastilho de pólvora já margeia o setor bancário.

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 17:36

Concorrência aérea em Carajás

Compartilhe:

 

blog290115-08A Azul detinha o monopólio aéreo da rota para a região de Carajás, onde a Vale explora seu potentado mineral. Foi, então, que a Gol entrou no circuito, reduzindo o preço da passagem, pasmem, em 50%. Ficou com a rota sozinha. Mas parece que será por pouco tempo: a Azul já decidiu que irá achatar ainda mais o valor dos bilhetes em 2015. E ainda há quem diga que a aviação é um oligopólio, que não há competição no setor, coisa e tal. Pois é...

 

Banner21



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 16:26

Jari busca sócio de A a Z

Compartilhe:

 

blog290115-07A lista de tentativas do empresário Sergio Amoroso de encontrar um sócio para a Jari Celulose vai de A a Z. De um lado, a Aditya Birla, um dos maiores produtores mundiais de celulose solúvel; do outro, a família Zogbi, antiga dona da Ripasa, que, desde o ano passado, ensaia seu retorno ao setor.

 

Banner21



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 15:14

Basf amplia investimentos no Brasil

Compartilhe:

 

blog290115-06Nem tudo é má notícia no universo corporativo. A Basf vai investir, em 2015, cerca de 200 milhões de euros em novos projetos de biotecnologia no Brasil. A cifra é 30% superior ao desembolso do ano passado.

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 14:15

Telefônica aposta na TV por assinatura

Compartilhe:

 

blog290115-05A dobradinha Telefônica/GVT vai anunciar em breve um pacotão de investimentos na operação de TV por assinatura. O principal objetivo é concorrer com a tríade Net/Claro/Embratel.

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 12:36

O ocaso de Hermes Chipp

Compartilhe:

 

blog290115-04O diretor-geral do ONS, Hermes Chipp, está descontrolado. Desde o fim de dezembro, quando Eduardo Braga foi anunciado como novo ministro de Minas e Energia, Chipp tenta agendar uma audiência privada com o ex-governador amazonense. Até o momento, foi solenemente ignorado.

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 11:15

TPV aumenta produção de TVs

Compartilhe:

 

blog290115-03A chinesa TPV, que fabrica aparelhos de TV com as marcas Philips e AOC em Manaus, parece viver numa bolha. Enquanto o setor de eletroeletrônicos puxa o freio de mão, a companhia pisa fundo no acelerador e prevê um aumento de 20% na produção para 2015. Com o início da montagem de TVs Philips com a tecnologia 4K, a TPV deverá, inclusive, contratar uns operários aqui, outros acolá. Tomara!

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:55

Celg espeta uma conta de R$ 1 bi na Eletrobras II

Compartilhe:

 

blog290115-02Entre janeiro e setembro do ano passado, a Celg contabilizou mais de R$ 700 milhões em perdas. O Tesouro Nacional já injetou quase R$ 4 bilhões na empresa. Não fosse o recente aporte de capital da Caixa, o processo de federalização nem teria se consumado. Então com um patrimônio líquido de quase R$ 3 bilhões negativos, a empresa não poderia ter sido incorporada pela Eletrobras. Na estatal, ninguém lamentaria.

 

Banner2



QUINTA-FEIRA, 29 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:32

Celg espeta uma conta de R$ 1 bi na Eletrobras I

Compartilhe:

 

chamada 01A "conta Celg" não para de crescer. Além do recente empréstimo emergencial de R$ 1,9 bilhão da Caixa Econômica Federal, que serviu para viabilizar sua federalização, a companhia goiana deverá enfiar um espeto de aproximadamente R$ 1 bilhão na contabilidade da Eletrobras em 2015. O valor se refere ao plano de investimentos da distribuidora prestes a cair no colo da holding federal, que acaba de assumir o controle da Celg. Há uma série de projetos que a Eletrobras terá de desengavetar com urgência para garantir a expansão da rede de distribuição em Goiás. Nos últimos anos, a grave crise financeira da Celg comprometeu sua capacidade de investimento, o que levou a atrasos e até mesmo ao cancelamento de uma série de iniciativas, notadamente no interior do estado.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 16:06

Cemig abre guerra contra ligações clandestinas

Compartilhe:

 

blog280115-08Uma das missões do novo presidente da Cemig, Mauro Borges, será combater as ligações clandestinas de energia – o problema de sempre, que afeta dez entre dez distribuidoras do país. Em 2014, a estatal perdeu quase R$ 400 milhões com a gatunagem.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 14:59

O efetivo “permanente” da Previ

Compartilhe:

 

blog280115-07O crachá provisório que Marco Geovanne (foto) leva ao peito tem tudo para se tornar permanente. Na Previ, circula a informação de que Geovanne, que acumula a diretoria de participações e a presidência interina da fundação desde a saída de Dan Conrado, deverá ser confirmado no cargo nos próximos dias.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 13:19

A chapa esquenta na Mercedes

Compartilhe:

 

blog280115-06O embate entre a Mercedes-Benz e os metalúrgicos promete engrossar. Os líderes sindicais do ABC acenam com paralisações semanais caso a montadora mantenha as 160 demissões na fábrica de São Bernardo do Campo.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 12:21

Henrique Alves a caminho

Compartilhe:

 

blog280115-05Nas contas do vice-presidente Michel Temer (foto), o futuro ex-deputado Henrique Alves desembarca na Esplanada dos Ministérios na primeira semana de março.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 10:58

A “morte e vida joaquina” da microeconomia IV

Compartilhe:

 

blog280115-04Um sapecão de boas notícias permitiria a Joaquim Levy praticar as necessárias perversões sem parecer que a economia está circunscrita somente a cortes e despesas torturantes. O ministro da Fazenda, caso decida caminhar nessa direção, tem um naipe de ouro em suas mãos. Basta ir buscar o bom e velho professor Aloisio Araújo (foto), que veste a camisa 10 nesse assunto, e os professores Ruben Penha Cysne, Roberto Castello Branco e Sergio Werlang, uma turma da FGV, que, em nome da amizade e respeito a Levy, provavelmente aceitaria colocar as mãos na massa. O Brasil só perde mais essa oportunidade para dar uma melhoria na sua produtividade se quiser. Ou se Dilma não deixar.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 10:36

A “morte e vida joaquina” da microeconomia III

Compartilhe:

 

blog280115-03A agenda micro iria além. Criaria um sistema de prestação de contas dos bancos públicos - BNDES, Banco do Brasil, Caixa Econômica etc – obrigando a divulgação de argumentos socioeconômicos pelas quais estas instituições decidiram emprestar e/ou participar do capital de empresas. Agilizaria os licenciamentos ambientais. Levaria para o Palácio do Planalto alguns gabinetes que deveriam ser plenipotenciários, tais como o de regulação das obras e concessões prioritárias. O ex-presidente da Vale Eliezer Batista (foto), em entrevista ao RR publicada na edição nº 4.999, disse que o gabinete da Agência Nacional de Águas (ANA) deveria ser transferido para a própria Presidência da República.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:55

A “morte e vida joaquina” da microeconomia II

Compartilhe:

 

blog280115-02Por isso tudo, ajuste austero deve ser amaciado com um programa microeconômico. Enquanto o "Darth Vader Levy" está mandando bala, cortando aqui e estripando acolá, esse outro rincão do Ministério da Fazenda, ou quiçá do Planejamento, estaria dedicado a trabalhar para o lado bom da força, lubrificando a engrenagem econômica, sem subsídios financeiros ou incentivos fiscais. A agenda micro desburocratizaria a economia, resgataria o programa draw back verde amarelo, ao mesmo tempo em que reduziria os entraves às importações consideradas fundamentais para o aumento da produtividade. Livraria a Petrobras da obrigatoriedade de participação da exploração em todos os campos de petróleo. Com base na moderna teoria de leilões, simplificaria as licitações para as concessões, instituiria o project finance pleno, reestruturaria o sistema de financiamentos do BNDES, compartilhando suas operações com a banca privada, de forma a estimular sua participação em empréstimos de longo prazo.

 

Banner2



QUARTA-FEIRA, 28 JANEIRO DE 2015

Finanças | 09:33

A “morte e vida joaquina” da microeconomia I

Compartilhe:

 

chamada 01A agenda microeconômica de que o Brasil precisa já deveria ter começado há um século. Em um mundo idealizado, Joaquim Levy (foto) faria imediatamente uma convocação cívica ao economista Marcos Lisboa – o tucano José Roberto Mendonça de Barros também é talhado para o cargo, mas seu custo político o inviabiliza. "Marquinhos" tocou uma espécie de gabinete de desatar nós microeconômicos durante a gestão Antônio Palocci, herdando o portfólio de ideias da chamada "agenda perdida". Foi levado por Palocci, tal qual Levy por Dilma Rousseff, sem lenço nem ideologia, por puro pragmatismo. É bom de ouvir que a agenda micro não dói; já a macro machuca.

 

Banner2



TERÇA-FEIRA, 27 JANEIRO DE 2015

Finanças | 17:31

Moinho da Glencore

Compartilhe:

 

blog280115-09A Glencore, dona de metade do Moinhos Cruzeiro do Sul, negocia a compra do restante do capital, pertencente ao Grupo Predileto. Os suíços, inclusive, acenam com a construção de duas unidades industriais. Procuradas, as duas empresas não se pronunciaram.

 

Banner2



TERÇA-FEIRA, 27 JANEIRO DE 2015

Finanças | 17:18

Lojas Riachuelo na contramão

Compartilhe:

 

blog270115-09Mesmo com a desaceleração das vendas no varejo, a Lojas Riachuelo promete inaugurar 45 pontos de venda em 2015, o mesmo número do ano passado. Tomara!

 

Banner2



TERÇA-FEIRA, 27 JANEIRO DE 2015

Finanças | 16:01

Brasil Kirin prepara a mesa para a compra da Cerpa

Compartilhe:

 

blog270115-08A Cerpa negocia com a Brasil Kirin um acordo de compartilhamento de suas unidades industriais. Entre outras bebidas, o grupo japonês poderá produzir a cerveja Schincariol nas fábricas da companhia paraense. A Cerpa trata o negócio como uma mera parceria. No entanto, mesmo os executivos mais antigos da empresa enxergam o acordo como o primeiro gole para a posterior venda da cervejaria.

 

Banner2



TERÇA-FEIRA, 27 JANEIRO DE 2015

Finanças | 15:05

Aisin sacoleja nas curvas do mercado brasileiro III

Compartilhe:

 

blog270115-06O impacto da crise do setor sobre as contas da Aisin no Brasil só não é maior devido a um airbag chamado Toyota. A fabricante de autopeças segue o rastro da montadora, sua maior cliente tanto no Japão quanto no exterior. No momento, a Aisin pega carona no aumento da produção local do Etios. Entre janeiro e junho do ano passado, o modelo compacto garantiu o melhor semestre da história da Toyota no país.

 

Banner2



TERÇA-FEIRA, 27 JANEIRO DE 2015

Finanças | 14:33

Aisin sacoleja nas curvas do mercado brasileiro II

Compartilhe:

 

blog270115-07Em setembro do ano passado, a companhia anunciou a expansão de sua fábrica de componentes para motores em Itu (SP), orçada em US$ 70 milhões. A realidade mudou, e os japoneses devem segui-la. Todo o projeto está sendo reavaliado. Mais de metade da segunda unidade de produção do complexo de Itu vai ficar vazia, à espera de dias melhores. O início das atividades no restante da área, previsto para este ano, pode ser postergado para 2016. O adiamento da compra do maquinário deve gerar uma economia da ordem de US$ 20 milhões.

 

Banner2